domingo, 25 de novembro de 2012

Quase três meses... adaptação (quase) total!

Faz quase três meses que estamos aqui, dá pra acreditar?
Pra gente passou muito rápido... Aliás, sempre falo que el tiempo vuela en Madrid...
Acho que como o sol só dá as caras mais tarde, passa essa sensação de que o dia acaba muito rápido, não sei...
 
O lado bom é que já estamos mega adaptados a quase tudo e a quase todos (e agora já tenho muito o que postar, pois já deu pra analisar e formar opinião... antes não o fiz tanto porque estava reconhecendo território... agora vou pegar firme no blog. Prometo!) e já não dá muita vontade de ir embora...
Lógico, adaptar não significa adorar tudo. O frio não nos agrada, mas já não incomoda tanto (só não sei se vamos reafirmar isso quando o inverno chegar... aguardem cenas dos próximos capítulos...).
 
Um dia alguém perguntou do que a gente tinha mais saudade...
Respondo: família (cachorro também faz parte da família, lógico! Saudade do meu Ricco, também!!!), amigos, calor e pizza!!!
 
Família e amigos a gente vai tentando matar a saudade por skype, msn, face, e-mail (pra quem tem uns minutinhos livres pra nós, claro! sim, sou carente e nunca disse o contrário... como diz Lulu Santos, "Eu não sei viver sem ter carinho. É a minha condição.") + as visitinhas diliça que recebemos (Daurita e Marcelo, e Juliano, Arnaldo (outro ser desapegado de redes sociais), Krishna e Kelly e outras que ainda virão - gracias, papi!), o calor a gente liga a calefación (e fica entocado no cafofo) e a pizza é o que menos importa nesse momento!
 
O que é mais curioso é que, mesmo estando em SP e não tendo tanto tempo livre pra ver esse povo todo e, às vezes, até chegando a meses e meses sem encontrar pessoalmente (porque virtual sempre dou um sinalzinho de fumaça!), estar longe dá uma sensação diferente, não sei explicar... Só quem já passou por isso sabe...
O simples fato de você saber que não pode ver as pessoas na hora que quiser, dá uma angustiazinha de leve. Dá medo que coisas importantes aconteçam (e, lógico, acontecem. inclusive já aconteceram e vão acontecer mais, eu sei...) e você esteja longe sem poder participar...
Esse montão de grávidas (inclusive minha irmã! A Lívia está quase quase pra chegar! Depois tem a Sofia e por aí vai... - não falei de todas porque Renatinha, e Thays, por exemplo, ainda não deram nomes aos seus pimpolhos (as) e/ou ainda não me contaram - fiquei pra titia mesmo casada... hahaha) e não vou conhecer de bate-pronto nem pessoalmente a carinha desses bebês quando chegarem ao mundo, os aniversários das pessoas que eu amo e não vou comer "um teco" do bolo (Vivis, lembrei da foto do seu e me deu água na boca... faz igual quando eu voltar, amiga, "plis"?), o Natal em família (apesar de que essa vai ser uma experiência nova e interessante, de sermos só nós dois, mas dá um aperto gigante no coração de deixar minha mãezinha sozinha... Mas também sei que será bem cuidada pela Thatá, Thi, tia Cida e tio Marco), o Ano Novo na praia, o Dia das Mães com as nossas...
 
Mas, por outro lado, estar aqui é um sonho e a gente está aproveitando cada instante  e vivendo intensamente essa oportunidade que caiu no nosso colo (e, lógico, trabalhamos muito e ahorramos horrores pra estar aqui. Mas, como disse minha mega "miga" : a experiência é única e sem valor monetário => e olha que ela foi ainda + corajosa, porque foi sozinha pra Portugal e numa época sem redes sociais, que amenizam a saudade)...
 
Enfim, resumindo, não há escolhas sem renúncias (pra absolutamente qualquer coisa na vida da gente!) e, mesmo com as saudades mil, é incrível estar aqui e não mudaríamos nadinha! (ok, se desse pra trazer família (+dog), calor (não que aqui seja o Pólo Norte, mas são praticamente dois invernos seguidos), amigos e pizza mudaríamos com prazer!)
 
Quando voltarmos recuperamos o "tempo perdido" (que de perdido não tem nada, só agregamos às nossas vidas com essa viagem) e prometemos tentar continuar nos fazendo presentes mesmo à distância.
 
Pero lo más importante és que vosotros sepan que los echamos de menos.
(y que también estamos muy felices aquí)
 
(ahora no voy más fotografiar solo con móvil... Proximamente, con mi câmara... ¡Muy pronto! jejeje)

sábado, 17 de novembro de 2012

14N - Huelga general

Geral, geral, não foi...
Parcial está bem definida, porque muitas lojas abriram, algumas fecharam + cedo, outras ficaram com as portas pela metade, mas não foi aquela coisa de cidade fantasma que a gente esperava de uma greve geral.
Mas vôos foram cancelados, fábricas e escritórios fechados, além do metrô funcionando com serviços mínimos (o que me fez camelar 6km a pé até a escola, porque me disseram que era perigoso o metrô, que os manifestantes poderiam encrencar com quem estivesse o utilizando, etc... mas parece que estava tranquilo... pena que eu descobri tarde, para tristeza das batatinhas das minhas pernas...)
 
Enfim, o que acontece?
O país está em crise (embora não chegue nem aos pés das crises que já vivemos no Brasil, mas depois eu desenrolo em outro post) e as pessoas estão com medo de, com o corte de gastos, perderem saúde e escola públicas (que são muito boas!), fora o aumento de impostos e o desemprego, então, fazem barulho pra chamar a atenção do governo, com manifestações e essa greve "geral" (que já é a segunda do ano).
 
A polícia fica a postos, fechando os caminhos que levam ao Congreso de los Diputados (ponto de encontro das manifestações), pra evitar qualquer tipo de confusão. Mas, ainda assim, foram mais de 80 presos e 40 feridos...
 
O que é mais bacana é que a galera adere mesmo!
Tem velhinho, criança, muuuuuitos jovens, pobre, rico, tem de tudo!
O governo diz que foram 35mil pessoas e os sindicatos, 1milhão.
Lógico, cada um puxa a sardinha pra sua brasa, mas o que importa é que tinha gente pra caramba, como dá pra ver na foto. (e isso é só um pedacinho)

sábado, 10 de novembro de 2012

Coisas estranhas acontecem nos cines madrileños...

Como assim, só tem dublado?
¡Coño!, es muy malo. Así no me gusta.
Ah, não, dublado não dá. Só se fosse desenho... e olhe lá!
 
Descoberta bombástica: os filmes gringos são todos dublados aqui em Madrid.
Como diz a lindeza da minha amiga Yara Motta: Oooi? (fecho os olhos e vejo/escuto seu jeito engraçado de dizer isso... heheheh... ai, que saudade, amiga!!! #amo)
Perguntei pra um monte de gente o motivo, ninguém sabe dizer, e a galera discorda, inclusive... Eu cheguei (sem confirmar com nenhum madrileño) a uma conclusão histórica: que na época da ditadura com o Gal. Franco (aqui não se pode nem brincar que é parente  do cara, porque o povo não pode nem ouvir falar o nome do "hómi", mesmo morto há quase 40 anos...) mudavam os diálogos dos filmes na dublagem, pra passar pela censura. Então, imagino que tenham se acostumado mal e agora faz parte da "cultura"...
 
Mas não dá, perde muito a qualidade do áudio. Assim deixa pra assistir na Sessão da Tarde... (e ainda assim, tipo Net, a maioria dos filmes já dá pra colocar no áudio original, gracias. Aqui também. Gracias².)
 
 
Depois de uns dias, rodando pelo centro, encontramos um cinema com cara de alternativo (tipo o HSBC Belas Artes - descanse em paz! - infelizmente... #adorava) e, aleluia!, filmes legendados (inclusive com legendas em chinês, até... Madrid é cheia de chinos - depois conto essa parte direito) e, consequentemente, bombando, fila enorme e sessões lotadas!
Assistimos Ted e morremos de rir... É o urso mais figura da face da terra!!! (o filme está sendo acusado de plágio, inclusive. Foi comparado com os personagens de cartoons/tirinhas de "Imagine This" e "Rehabilitating Mr. Wiggles" -  na natureza nada se cria, tudo se transforma... de verdade, não tô tirando onda, não... acredito nisso!)
 
O Cine Ideal (http://www.yelmocines.es/) fica pertinho da Puerta del Sol, uma das praças mais conhecidas (e abarrotadas de gente quase 24h por dia! - outro futuro post) de Madrid.


Depois (e já passada a peripécia com o velhinho no filme espanhol), demos uma segunda e terceira chances pro cinema perto de casa...

Assistimos Frankenweenie (Tim Burton sempre incrível. aliás, esse longa veio de um curta dele mesmo de 1984, com atores, que tb vale a pena assistir) e Tadeo Jones (outro desenho, mas daqui da Espanha, tipo Indiana Jones... mais ou menos engraçadinho).

Enfim, só eu e o Fred (de novo!) na porra da sessão... Como pode?
Taí o baby pagando mico pra confirmar!


Indignada, comentei com o pessoal do curso, comprarando com o Brasil (pelo menos em SP, que os cinemas estão sempre lotados à noite nos findes) e eles disseram que é por conta do preço que aumentou muito (antes custava 5€ e agora está 9€ o normal e 3D 10€ - em relação ao normal, o 3D até que é barato, mas fazendo aquela continha básica "Xquase3", dá uns R$24 - quase o mesmo preço do Brasil, ou seja, caro! Mas outro dia eu resmungo sobre esse assunto) e que agora as pessoas vão mais aos cinemas do centro, não dos bairros (e esses, consequentemente, estão fechando).

É incrível ter um cinema só pra você, confesso!
Mas também é bem triste! Lamentável até, eu diria...


É de se estranhar (e muito!) um povo tão consumidor de cultura não usar bem algumas ferramentas... Mas é de se admirar também: eles realmente se manifestam e boicotam quando não estão contentes com algo.

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Le temps de l'amour

Tontería echa
Teste
Clip feito pelo baby (+ eu co-produzindo e dando uns pitacos na direção) pra um trabalho da escola...
E eu pagando sapo de "atriz"...
Como diria a grande Lady Kate, "Boooooom, booooom não tá, mas tá bom, tá bom, tá bom, tá bom, tá bom, tá bom..." (mas é só o primeiro... Hollywood que nos aguarde!!! hahahahah)
 
Assite aí, vai, a música é lindaaaaa!!!

video
Le temps de l'amour - Françoise Hardy

 


sábado, 3 de novembro de 2012

A bruxa está solta!!!

¿Trato o truque? (Doce ou travessura?)

Aqui em Madrid o povo festeja o Halloween como nos States.
E não é uma festa só de criança, não. Todo mundo adere!

Todas as lojas e bares enfeitados com o tema desde 15 dias antes, mil e uma opções de fantasias, baladas e festas temáticas...

E a galera capricha mesmo!

fotos gentilmente cedidas por los monísimos amigos Cris Aora e Victor Gonzalez Marichal

Na quarta indo pro curso às 8h30 da madrugada matina já me deparei com seres humanos fantasiados. Isso que é vontade, o resto é conversa!
E quanto mais tarde, mais gente no clima pelas ruas (tipo como no carnaval)...
No metrô vimos um cara de costas com a roupa rasgada e umas pinturas vermelhas. Pensamos que era "bixo" de faculdade e, quando ele olha pra gente, era um super zumbi...

Nós, como somos meio preguiçosos, velhotes e temos frio, ficamos em casa mesmo. (aqui já batemos 1º C - detalhe: ainda estamos no outono)


A parte chata é que o que era pra ser uma festa acabou virando uma tragédia que comoveu todo o país.

Steve Aoki (um DJ japa mega conhecido (não por mim, que não tenho + idade pra "puntz puntz") veio pra festa que estava prevista pra receber 10 mil pessoas no Madrid Arena no último dia 31.

Só que (parece, porque a polícia ainda está investigando e nada é certo até o momento) distribuíram o dobro de ingressos e também rolaram muitos falsificados. A bagaça estava mega abarrotada, não cabia nem um alfinete!

E aí em algum momento rolou uma explosão de não se sabe o que e, as pessoas, apavoradas com o fogo, saíram correndo por um corredor super estreito.

No meio dessa confusão um montão de gente foi ferida e pisoteada, o Samu chegou em nem 5 minutos depois de chamado e atendeu todo mundo em outros 5 minutos, mas, pra 3 pessoas já era tarde... + 2 em estado grave (sendo que uma não resistiu e morreu hoje)...
Triste coincidência, mas, como já passava da meia noite, isso tudo aconteceu no dia dos mortos (que aqui é dia 01/11, um dia antes do Brasil).

Só se fala nisso em todos os noticiários.
E o Ayuntamento (tipo a nossa Prefeitura) que cedeu o espaço para a festa (que era particular) se pronunciou proibindo macrofestas em espaços municipais. Falam até em mudar algumas leis pra que não aconteça mais nada parecido.

O problema é sempre o mesmo: a porra do dinheiro e da ganância.
No espaço só cabiam 10 mil pessoas e, conforme as vendas foram bombando, além de aumentar os preços de entrada (que começaram com 15€ e acabaram em 40€), venderam o dobro do permitido. Agora, além de lamentar e rezar pelas famílias abaladas, é esperar pela justiça daqui, que é bem rigorosa...